Sete startups foram selecionadas para integrar o portfólio da edição 2023 do Programa Soja Sustentável do Cerrado, resultado da parceria entre o AgTech Garage, parte da rede PwC, e o Land Innovation Fund. A iniciativa conta ainda com o apoio estratégico da Cargill, CPQD, Embrapa e Embrapii.

As empresas receberão até US$ 50 mil cada para o desenvolvimento de suas soluções através do Startup Finance Facility e terão apoio técnico-científico de uma equipe de pesquisadores selecionados para o Fellowship Cerrado e contato direto com proprietários rurais que integram o Programa For Farmers.

Além disso, participarão de um evento inédito de imersão e intercâmbio de conhecimento com a participação de representantes de toda a cadeia de suprimentos agrícolas. O encontro ocorrerá na sede do Centro de Inovação da Cargill, em Campinas (SP).

As sete novas participantes se somarão às 21 selecionadas nos quatro primeiros ciclos do programa, ampliando o alcance e a diversidade das soluções de inovação para uma agricultura sustentável, livre de desmatamento e conversão de vegetação no bioma Cerrado.

Os projetos escolhidos propõem resolver alguns dos maiores desafios das agendas agrícola e ambiental internacionais, com ferramentas de rastreabilidade, monitoramento e compliance, recuperação de solos, biodiversidade e capacitação técnica para a ampliação de práticas agrícolas sustentáveis no campo.

Conheça as startups selecionadas

AgriSoft: a proposta da empresa dedicada ao desenvolvimento de sistemas administrativos digitais é incorporar critérios e protocolos de monitoramento de sustentabilidade aos softwares de gestão de fazenda, fornecendo ferramentas para a mensuração e o acompanhamento de práticas agrícolas responsáveis. Inicialmente desenvolvidos para gerir aspectos operacionais e financeiros das propriedades rurais, a proposta da AgriSoft é incorporar uma nova abordagem de gestão agrícola, abrangendo critérios e protocolos de sustentabilidade aos serviços oferecidos pela empresa.

Bio2Me: no Brasil, há mais de 650 milhões de hectares cobertos por vegetação nativa que podem se tornar uma valiosa fonte de receita para o produtor rural. A proposta da Bio2Me é administrar áreas de conservação ambiental – incluindo reserva legal – para construir uma cadeia de valor sustentável a partir da produção de bioativos advindos de áreas preservadas. Conectando produtores a investidores, a Bio2Me pretende gerar uma alternativa de receita complementar à abertura de novas áreas agrícolas a partir do uso de baru, fava d’anta, açaí, carnaúba e outros frutos nativos encontrados no bioma.

Biome4All: há cinco milhões de hectares de pastagens degradadas com aptidão agrícola para o cultivo da soja no Brasil. Desse total, estima-se que aproximadamente dois milhões estão situados em três tipos de latossolos. Além disso, há aproximadamente 21,4 milhões de hectares cultivados com soja no Cerrado – 8,5 milhões situados em latossolos sobre os quais não se sabe o estado de degradação. Com a participação no Programa Soja Sustentável do Cerrado, a Biome4All pretende desenvolver um indicador de maturidade microbiológica para avaliação da qualidade do solo do bioma – com foco em latossolos vermelho-amarelo, vermelho-escuro e roxo – e uma ferramenta de predição da predisposição das áreas para degradação, contribuição para uma microbiota mais saudável e resiliente às condições climáticas.

Grão Direto: A plataforma de comercialização Grão Direto pretende se conectar a especialistas em rastreabilidade para oferecer o serviço agregado de monitoramento da produção agrícola e otimizar a performance de relatórios de compliance. A startup pretende ainda viabilizar a inserção de dados dos fornecedores intermediários à plataforma de serviços, garantindo a ampliação do portfólio de rastreabilidade oferecido pela empresa. Dessa forma, os compradores poderão ter acesso a informações socioambientais de lotes em negociação, assegurando transparência e conformidade ambiental de toda a cadeia de suprimentos.

Já Entendi Agro: a startup de tecnologia da educação especializada no setor agrícola pretende desenvolver um curso dedicado à produção de soja sustentável e livre de desmatamento para capacitação de profissionais do setor. A proposta da empresa é criar conteúdo claro e acessível para técnicos agrícolas e outros profissionais do setor capaz de prepará-los para a utilização de práticas agrícolas sustentáveis no campo. Com a participação no PSSC, a startup pretende produzir seis cursos com cinco videoaulas cada, a partir da contribuição de pesquisadores do Programa Fellowship Cerrado, com a possibilidade de validação e implementação dos produtores rurais que integram o Programa For Farmers.

Seleção Natural: especializada em criação de metodologias, protocolos de pesquisa e monitoramento de espécies da biota brasileira, a startup pretende desenvolver uma plataforma para elaborar, de forma simples e automatizada, planos de ação para implantação e cumprimento de compromissos em biodiversidade para produtores rurais e iniciativa privada. Assim, será possível planejar com eficiência as ações prioritárias de conservação, direcionando os recursos financeiros para otimização dos resultados, que poderão ser demonstrados para obtenção de certificações, títulos verdes e pagamentos por serviços ambientais. A proposta é potencializar o uso e o alcance dos serviços ecossistêmicos para a promoção de uma agricultura sustentável e livre de desmatamento.

Vega Monitoramento: informações técnicas desencontradas, falta de compreensão da legislação ambiental e complexidade burocrática de órgãos e ferramentas de dados públicos geram morosidade e podem comprometer o processo deregularização ambiental. A proposta da VEGA é solucionar a escassez de suporte técnico ao produtor rural da cadeia de suprimentos da soja no Cerrado diante da necessidade de adequação às crescentes exigências ambientais vigentes nos mercados nacional e internacional com a criação de uma base de dados regulatória para a região. Com a participação no PSSC, a startup pretende aprimorar o desenvolvimento da plataforma de dados LYRA e acelerar a implementação do aplicativo mobile que facilita o acesso dos usuários às informações socioambientais, mapeadas e categorizadas a partir do uso de tecnologias de sensoriamento remoto, inteligência artificial e machine learning.

Crédito da foto em destaque: DepositPhotos

Confira notícias relacionadas