A Petrobras segue investindo em segmentos de sua área de Exploração e Produção em busca de mais eficiência operacional. Um exemplo é a inauguração dos novos laboratórios de Rochas e de Fluidos em Macaé (RJ), que ampliaram sua capacidade de atendimento, com novas instalações e equipamentos, do mesmo porte dos que são utilizados no Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), referência na América Latina. Assim, a partir de Macaé, ambos passam a dar suporte a grande parte das atividades da área para toda a companhia.

Novos laboratórios em Macaé

O Laboratório de Rochas tem como principal atividade avaliar a qualidade dos reservatórios de petróleo, por meio do estudo das amostras de rochas retiradas dos poços. Para tanto, tecnologias de ponta passam a fazer parte da nova instalação em Macaé, como as utilizadas no Cenpes. Tomógrafo, ressonância magnética e microscópio eletrônico são alguns dos novos equipamentos que permitirão ampliar a capacidade de análise, trazendo mais segurança e preparando o novo laboratório a atuar no atendimento deste serviço para toda a companhia.

Marcelo de Almeida, coordenador do laboratório, fala sobre a otimização deste serviço. “A companhia chegou a ter oito laboratórios de rochas, em diferentes regiões. Com o tempo, verificou-se que a centralização permite otimizar o atendimento às unidades e, assim, Macaé foi escolhida para concentrar este trabalho, que também é realizado em outra unidade de menor porte na Bahia e no próprio Cenpes”, esclareceu.

Já o Laboratório de Fluidos, a fim de dar suporte operacional e de manutenção para segmentos da companhia, realiza análises químicas, físico-químicas e microbiológicas no petróleo, no gás natural e outros derivados. O novo espaço recebe equipamentos de última geração, permitindo não somente aprimorar o serviço como também ampliar a capacidade de atendimento de novas demandas “Os levantamentos que realizamos nas amostras permitem entender a composição do óleo de um poço, da gasolina produzida e do gás extraído. A partir disso, uma série de decisões podem ser tomadas, até mesmo a definição dos royalties que serão destinados a um município, por exemplo”, conta Keyla Sarges, gerente do Laboratório de Fluidos.

As instalações estão localizadas em um prédio da Base Imboassica, em área construída com cerca de 12 mil m². O local conta com subestação elétrica, sistema de climatização central, gerador de energia, sistema de captação de água de chuva, aparelhos sanitários e sistema fotovoltaico. Ambos estavam instalados na Base de Imbetiba.

Análises de rochas provenientes da perfuração de poços e dos fluidos do petróleo e seus derivados são etapas fundamentais para o negócio da Petrobras. Neste contexto, o processo de centralização destes dois tipos de serviço está alinhado ao Plano Estratégico 2024-2028 e ao Plano de Renovação da Bacia de Campos. Materializa também o investimento em eficiência operacional, atrelado ao compromisso com a sustentabilidade e com a transição energética justa. O Plano de Renovação da Bacia de Campos prevê investimento de US$ 22 bilhões até 2028, com mais de 200 novos poços interligados, além de quatro novos FPSOs (sistema flutuante que produz, armazena e transfere petróleo).

Confira notícias relacionadas