O Grupo Stefanini, com 35 anos de atuação no mercado de tecnologia, desenvolveu um ecossistema de soluções, aceleradores e serviços voltados para geração de um modelo de valor focado em ESG (ambiental, social e governança) e em valor compartilhado.

A companhia explica que, levando em consideração o momento de seus clientes, que estão se pautando cada vez mais em políticas de governança com o objetivo de trazer retornos ambientais e sociais, uniu seus conhecimentos em busca de insights que levem ao design de estratégias e iniciativas personalizadas de transformação e inovação alinhadas a esses princípios.

“Assim como foi necessária uma mudança de mindset para o início da transformação digital nas empresas, agora é preciso que ocorra o mesmo para a adesão às práticas de ESG. Nós estamos dispostos a oferecer soluções criativas para as empresas que buscam o Grupo Stefanini com o propósito de inovar e se alinhar às tendências de futuro. O modelo ESG constrói uma nova lógica, na qual as organizações conseguem continuar dando resultados e gerando lucros, porém de uma maneira favorável à visão ambiental, com consciência sobre a escassez de recursos e a responsabilidade por prezar por práticas mais sustentáveis”, diz Mary Ballesta, diretora global de Inovação da organização.

A criação de valor compartilhado acontece a partir do desenvolvimento de um modelo de atuação que tem como núcleo a inovação. Um exemplo de prática alinhada ao ESG é a invenção de um novo fim para as sobras dos materiais que são utilizados nos processos de produção de um item ou serviço.

O Grupo Stefanini passa a trabalhar em três frentes para que as empresas possam tornar realidade essa nova lógica. Inicialmente, na de desenhar estratégias e definir métricas, baseadas nas especificidades de cada cliente; em seguida, na criação de um design da nova jornada, estipulando o formato dos novos processos para determinar de que maneira podem ser aplicados e quais resultados serão capazes de atingir e, por último, na transformação cultural, na qual implementa as iniciativas e desenvolve um programa de engajamento.

Caso os clientes já possuam em suas estratégias de sustentabilidade iniciativas relacionadas à energia limpa, redução da emissão de particulados e/ou redução do consumo de insumos, a empresa consegue ajudá-los por meio da vertical de inteligência industrial.

“A operação desse novo modelo de atuação, alinhado com as práticas de ESG, permitirá gerar valor para todos, no qual o planeta, as pessoas e o sucesso econômico estão em harmonia. Além de ganhos financeiros, ele traz benefícios para a imagem da empresa, uma vez que a sociedade espera cada vez mais uma postura socioambiental positiva, sendo, inclusive, um critério na hora de escolher quem será o fornecedor de serviços ou produtos contratado. Aqueles que não mudarem o mindset, considerando o ESG como uma prática fundamental, ficarão atrasados no que diz respeito à inovação. É preciso ter visão de futuro e iniciar no presente as mudanças que trarão resultados a longo prazo, por meio do valor compartilhado”, conclui Ballesta.

Crédito da foto em destaque:  DepositPhotos

Confira notícias relacionadas