Em um mundo cada vez mais consciente dos impactos ambientais causados pela atividade humana, o conceito de “Green Building” (Construção Verde) promete revolucionar o setor da construção civil – um dos que mais causam impactos ambientais – por meio da integração de práticas sustentáveis que visam preservar os recursos naturais e garantir qualidade de vida não só a quem habita esses espaços, mas também dos moradores do entorno.

“O conceito de Green Building busca minimizar o impacto ambiental durante todo o ciclo de vida do edifício, desde o planejamento e construção até a demolição. Isso envolve o uso eficiente de recursos como energia, água e materiais, além da redução de resíduos, poluição e degradação ambiental”, comenta Franklin Delgado, que há 30 anos atua no setor de arquitetura, construção e design.

No Brasil, essa tendência está em alta. Um levantamento do US Green Building Council (USGBC) de 2022 o posiciona na quarta posição, entre dez nações e regiões fora dos Estados Unidos, com maior área certificada Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) — selo que avalia quais edificações atendem aos requisitos ambientais e energéticos deliberados pelo órgão.

O país soma mais de 2,4 milhões de metros quadrados certificados. “Esse dado revela que o setor brasileiro está preocupado com a redução dos impactos que a construção causa. E essa preocupação se estende para outras áreas, como a arquitetura e o design”, acrescenta Delgado.

Benefícios da construção verde

São muitos os benefícios deste tipo do projeto. Em se tratando do chamado design inteligente, maximiza o uso de luz e ventilação natural e utiliza materiais sustentáveis e tecnologias ecoeficientes. “Tais práticas não só diminuem o consumo de energia, mas também melhoram o bem-estar dos usuários, incorporando técnicas do design biofílico e criando espaços mais produtivos e confortáveis para viver e trabalhar”, afirma o arquiteto Luciano Imperatori, da HI Arq. Arquitetura e Urbanismo.

As construções verdes também têm maior valor no mercado imobiliário, além de promoverem uma redução de custos operacionais com o uso de fontes de energia limpa e reuso de água.

Outro ganho significativo é a melhoria na saúde dos ocupantes. Espaços que utilizam materiais menos tóxicos e promovem a qualidade do ar interior podem reduzir casos de doenças respiratórias, alergias e até mesmo melhorar a produtividade dos trabalhadores.

Delgado pontua que, mais que uma tendência, o Green Building é uma necessidade urgente em um mundo que busca soluções para os desafios ambientais. “Ao integrar práticas sustentáveis na construção civil, é possível não apenas proteger o planeta, mas também criar espaços mais saudáveis e produtivos para os seres humanos”, completa.

Confira notícias relacionadas