Por Patrícia Leitão

agronegócio brasileiro, conhecido por sua resiliência e inovação, continua a fornecer inspiração para diversas indústrias, incluindo o mundo digital. Enquanto nos aventuramos pelos vastos campos da tecnologia, encontramos paralelos convincentes entre os princípios fundamentais do agronegócio e as melhores práticas digitais.

Ao reconhecer e aproveitar as oportunidades que o universo on-line proporciona, podemos impulsionar ainda mais a evolução e o progresso do setor, construindo um futuro mais sustentável, eficiente e conectado para todos. Confira 5 lições valiosas que podemos aprender com essa sinergia entre o campo e a tecnologia!

1- O profissional “Agro Digital” ainda está em formação

Embora as demandas por tecnologia no setor estejam em constante crescimento, a intersecção entre esses dois domínios ainda é relativamente escassa. Essa conjunção de conhecimentos é cada vez mais valorizada e crucial para impulsionar a inovação e a eficiência no agronegócio moderno.

Profissionais com essa dupla expertise, principalmente nas áreas de vendas e marketing, são capazes de desenvolver e implementar soluções que se comuniquem de forma ajustada ao novo perfil de agricultor contemporâneo.

2- O investimento em digital ainda é um desafio para as empresas do setor

Tradicionalmente, o agronegócio tem sido caracterizado por métodos de marketing mais convencionais, como publicidade em revistas especializadas, participação em feiras agrícolas e distribuição de materiais impressos. No entanto, à medida que a digitalização se torna mais prevalente em todos os aspectos da vida moderna, as empresas do segmento estão começando a reconhecer a necessidade de se adaptarem e integrarem as estratégias digitais em seus planos de marketing e comunicação.

Isso envolve uma mudança de mentalidade e aquisição de novas habilidades. As empresas precisam aprender a utilizar as mídias sociais, o marketing de conteúdo on-line, o SEO (Search Engine Optimization), o marketplace e outras ferramentas para alcançar seus clientes de forma eficaz. Além disso, a análise de dados tornou-se fundamental para compreender o comportamento do consumidor e ajustar as estratégias de marketing de acordo com o perfil de cada cliente.

3- Precisamos melhorar a compreensão do produtor rural enquanto comprador

O produtor rural moderno não é mais apenas um comprador passivo. Eles estão mais informados, conectados e exigentes do que nunca. Eles realizam extensas pesquisas on-line, consultam suas redes de contatos e confiam em avaliações de produtos antes de tomar decisões de compra. Além disso, estão cada vez mais preocupados com questões como sustentabilidade, eficiência e retorno do investimento.

Na prática, isso significa que os vendedores precisam ser mais consultivos, em vez de apenas empurrar produtos, e fornecer soluções personalizadas que atendam às carências específicas de cada produtor rural e de sua empresa.

4- Existem desafios estruturais na calda de atendimento

Existe um desequilíbrio estrutural evidente entre a indústria – que muitas vezes busca ser mais digital e suas revendas/dealers em acompanhar o avanço deste formato. Enquanto a era digital continua a remodelar os negócios em outros setores, muitas revendas e concessionárias ainda lutam para acompanhar esse ritmo de mudanças.

É muito comum encontrar revendas que não possuem um profissional voltado para estratégias de marketing ou digital. Muitas vezes, há também um receio da revenda quanto ao trabalho realizado pela marca no meio digital, entendendo que essa atuação pode suprimir seu atendimento regional. A verdade é que quanto mais todos os elos se envolverem dentro do universo on-line, mais será possível potencializar as vendas, reforçar a marca na mente do produtor e acessar novos contatos.

É essencial que as revendas reconheçam a importância de se adaptarem ao mercado digital para garantir sua relevância e sustentabilidade a longo prazo. Isso requer uma mudança de mentalidade e uma abordagem proativa, incluindo investimento em tecnologia e treinamento, repensar os modelos de negócios e desenvolver uma cultura organizacional que valorize a inovação e a agilidade.

5- Dados precisam pautar as decisões

Os dados da jornada do produtor rural fornecem insights valiosos sobre seus comportamentos, preferências, desafios e oportunidades. Isso inclui informações sobre os tipos de culturas cultivadas, os insumos utilizados, as tecnologias adotadas, os canais de compra preferidos e muito mais. Com acesso a esses dados em tempo real, as empresas podem ajustar suas ofertas de produtos e serviços, personalizar suas abordagens de marketing e vendas e antecipar as demandas futuras do mercado.

No entanto, é importante ressaltar que a coleta e o uso ético dos dados são fundamentais nesse processo. As organizações devem garantir a privacidade e segurança, aderindo às regulamentações de proteção de dados e obtendo consentimento adequado para a coleta e uso de informações pessoais.

A forma mais eficaz e mensurável para reter essas informações é o digital. Até então a indústria era alimentada por informações fornecidas por sua rede de distribuição. Com atuação on-line, a marca consegue obter informações relevantes e organizadas sobre seu consumidor final sem quebrar a sua cadeia de atendimento e até a potencializando.

*Patrícia Leitão é gerente comercial da Agrofy, marketplace e ecossistema de soluções digitais que conecta toda a cadeia do agronegócio

Confira notícias relacionadas